10.12.14

DuasMaos.jpg

 

É, até certo ponto, desconcertante pensarmos nas dualidades ou realidades opositivas que, naturalmente, nos sugere a ideia ou imagem de Um vs Mundo. E é, precisamente, também esse o interesse do desafio da escrita, seja ela mais técnica ou mais romanceada.

A construção do sentido está inerente à condição do percetor, ainda que o significado do que é dito possa ter raiz simbólica diferente para quem o escreve ou cria, abrindo, assim, espaço e dando liberdade heurística ao seu público. É, por isso, a criação intelectual um dos maiores exercícios de assunção e concessão democráticos.

Quem somos está presente em tudo que nos rodeia, o âmbito circunscrito do ambiente em que circulamos e nos manifestamos. Mas isso não quer dizer que quem somos ou o que façamos seja pequeno ou insignificante. Somos agentes sociais, naturalmente.

Por altura em que tomei conhecimento de qual seria o tema deste mês para o blogue Mil Razões…, encontrava-me, ainda, impactada por um vídeo a que assisti, o qual se enquadra, perfeitamente, nesta conceção de Um vs Mundo, ainda que não tenha como cunho a divergência, mas, pelo contrário, o abalo positivo que nos causa a compreensão humana, a renovação, a paz de espírito, o perdão, o exemplo.

O cenário é-nos dado pela história real de um assassino em série (serial killer) que, após confessar a morte de 48 mulheres, foi condenado à prisão perpétua, em dezembro de 2003. De forma a mostrar os danos originados por tais atos tresloucados, o tribunal permitiu que, perante o culpado, as famílias pudessem expor as expetáveis emoções antagónicas, negativas, que estas experimentavam em relação a ele e aos seus atos. No entanto, a face do culpado mantinha-se inalterável, sem a manifestação da mais ínfima expressão de remorso ou arrependimento, situação, aliás, típica do universo emocional e mental de sociopatas. Expressões como “É um animal!”; “Espero que morra com muito sofrimento e crueldade!; “ Que vá para o inferno!” eram bem reveladoras do ódio que pairava naquela sala de tribunal. Até que surge um senhor, cuja filha tinha sido uma das vítimas, e desmancha a máscara insensível e imperturbável do culpado com uma bondade que nos toca. E é nesse momento que a comoção aparece, quando é surpreendido pelo discurso desse pai. Vale a pena transcrevê-lo:

- Senhor Ridgway, há pessoas aqui que o odeiam. Eu não sou uma delas. Você tornou difícil viver de acordo com o que eu acredito. E isso é o que Deus diz para fazer, que é perdoar. Você está perdoado, senhor.

Eu não sou religiosa. Considero que, neste caso, não é essa sequer a questão mais relevante. Este pai precisou rever suas ideias, valores e pressupostos para conseguir permanecer em paz com ele mesmo e conciliar suas convicções com o desapego que uma nova situação estava a exigir dele. Perdoar não é só possível, como desejável, e altamente libertador.

Somos muito mais quando construímos.

 

Marta Silva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Dezembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

28
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: