10.6.15

Dog-LoraKirchner.jpg

Foto: Dog – Lora Kirchner

 

Já fui pobre, tremendamente desgraçado; já fui rico, estupidamente excêntrico. Já tive tanta fome, uma vontade tão diabólica, que me passou tudo pela cabeça, até fazer mal a alguém. Já experimentei os pratos mais exóticos e mais refinados, cheguei a vomitar por excesso de comida. Já sofri dores crónicas por não ter um tostão para me tratar, tremi com febre debaixo de chuva; já me deixei operar, por pura vaidade, achando enganar a morte e a velhice. Já tive frio, dormi na rua, tremi em cada segundo do tempo, achando que não podia fechar os olhos com medo de não voltar a acordar. Já tive quem me preparasse o banho, a roupa, a alcova, num cenário em que, frio, nem como nome de cocktail era usado.

Já fui pelintra. Já fui nobre. Já fui um pelintra nobre e um nobre sem honra. Já chorei por não ter, outras vezes por ter demais. Já ri de satisfação por encontrar uma costeleta podre no contentor e aquilo me saber à melhor coisa do mundo. Já senti a mesma alegria por ver o sol nascer nos Himalaias.

Odeio a falta de dinheiro tanto como aprendi a odiar o seu excesso. Nunca tive amigos, a não ser o Teófilo. Conheci-o quando vivia na rua, numa noite gelada de inverno, abandonado para morrer depois de ter sido atropelado. Eu salvei-o e ele salvou-me a mim. Nunca mais nos separamos. É a única criatura no mundo que gosta de mim tal e qual como sou. Quando a minha vida mudou, para ele nada se alterou. Tudo o que lhe importa, genuinamente, é a minha companhia e poder dormir enroscado nas minhas pernas; seja numa caixa de cartão, num beco manhoso, seja aqui, nesta cama king size que partilhamos.

Não confio em ninguém, não posso baixar a guarda, a não ser com o Teófilo. Tive três mulheres que nunca o suportaram mas, corriam tanto atrás do meu dinheiro, que me davam muito tempo de qualidade com o “feioso”, como gentilmente lhe chamavam. A única razão por que ele correria atrás de uma nota era se eu a amassasse, fizesse uma bola e o chamasse para brincar. Não conheci lealdade no Homem e, à medida que fui tendo mais e mais dinheiro, tornei-me ainda mais incrédulo e azedo. Cada vez mais só, prisioneiro numa jaula dourada à qual só o Teófilo teve sempre livre acesso.

Apesar da vida financeiramente despreocupada, de não conhecer limites aos meus sonhos e poder ter tudo aquilo que desejar, todo o dinheiro que possuo não impediu que o Teófilo morresse hoje nos meus braços, perante o olhar desanimado do médico que não se deixou subornar, na minha ridícula tentativa de resgate à morte. Dinheiro nenhum os demoveu e a morte levou o companheiro da minha vida, arrancou-mo dos braços sem piedade. Hoje senti-me paupérrimo. Mais pobre do quando vivia na caixa de cartão, com um cobertor que tresandava e o corpo mordido pelas pulgas. Hoje senti-me, pela primeira vez, realmente miserável: cheio de dinheiro e incapaz de salvar o único ser que deu sentido à minha existência.

Abomino o dinheiro e a pobreza que me trouxe mas já não tenho idade nem saúde para largar tudo e voltar à rua. Não sem o Teófilo. Vou ficar aqui, nesta gaiola em que me prestam vassalagem, até chegar o meu dia. Já não tenho qualquer motivo para me preocupar. De hoje em diante, resta-me apenas aguardar o momento em que verei a morte pela segunda vez. Quero abraçar o meu companheiro no final da travessia. É tudo o que importa.

 

Alexandra Vaz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

De Machaca a 26 de Junho de 2015 às 18:11
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...
Compra o sangue, mas não a vida...
Compra roupas formais, mas não o respeito...
Dinheiro compra flores, passeios e mais, mas não o amor...

De Alexandra Vaz a 27 de Junho de 2015 às 19:29
Não podia concordar mais.
Muito grata pelo comentário deixado.

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sara Silva (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Junho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: