18.2.15

CallCenter.jpg

 

O trabalho ideal é aquele que nos faz erguer manhã bem cedo, de rompante, ao primeiro toque do despertador.

É aquele que não nos faz sentir culpados por passarmos tantas horas longe da família. Que nos enamora ao ponto de pensarmos nele mesmo quando não estamos a trabalhar.

É aquele que nos faz sorrir quando alcançamos uma meta. E que, quando a alcançamos, nos impulsiona a definir uma nova.

O trabalho ideal provoca adrenalina, nervoso miudinho, stress e tensão em doses moderadas.

É aquele que nos permite fazer aquilo de que gostamos e para que estamos habilitados, mas também nos proporciona tarefas e desafios diferentes fora da nossa zona de conforto, aportando novas experiências e conhecimento acrescido.

O trabalho ideal não nos provoca um sentimento de injustiça quando olhamos para o recibo do salário no final do mês!

O trabalho ideal proporciona prazer, realização e nunca cansa, mesmo nos dias mais cansativos. Transmite-nos segurança sem nunca nos deixar acomodar.

 

E depois… depois, há a Joana, que como estava desempregada há quase 18 meses e queria meter o mais velho na música, enquanto o mais novo precisava urgentemente de acompanhamento médico por suspeitas de autismo, aceitou trabalhar numa empresa sem qualquer vínculo contratual. Nesse trabalho, o carro (dela) acumula km, consome combustível e o retorno - magro e sempre atrasado – só chega se houver concretização de negócio.

Há ainda o Frederico, webdesigner de profissão, que na empresa onde está desenvolve alguns projetos ligados a essa área (e tem tanto potencial!), mas também é chamado para trocar lâmpadas ou consertar o autoclismo da casa de banho quando é preciso – muitas vezes.

E a Isabel, que apesar de excelente vendedora e vitrinista, foi convidada a cessar contrato quando regressou da licença de maternidade, já que a empresa a tinha substituído por um estagiário muito mais em conta. As vendas da loja caíram a pique, por isso Isabel foi chamada… para fazer férias, baixas e épocas altas – nunca sabe quando a vão chamar novamente ou se irão renovar o contrato temporário.

Ou o Jorge, professor não colocado, que encontrou no callcenter de uma grande marca a única saída profissional disponível para poder concretizar o projeto de arrendar um T1+1 e juntar os trapinhos com a namorada. Vive na pressão constante de obter resultados, importuna centenas de clientes e de muitos deles engole “nãos” ásperos com o mesmo discurso ensaiado que aprendeu no primeiro dia.

 

Mas todos eles, todos nós podemos sonhar com o trabalho ideal.

Enquanto sonhamos, a realidade torna-se um pouco menos insuportável.

 

Sandrapep

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Fevereiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: