8.7.16

Cutter-Man-Melanie.jpg

Foto: Cutter-Man - Melanie

 

“Oh tempo, volta p’ra trás,

traz-me tudo o que eu perdi.

Tem pena e dá-me a vida,

a vida que eu já vivi.”

 

Tenho para mim que tudo na vida é como as moedas, com cara e coroa, verso e reverso. Tenho para mim, também, que o tudo e o nada, nos extremos, se tocam, se podem confundir, assim como o sempre e o nunca... Mal comparado, será quase que como o conceito chinês do yin e do yang.

Portanto, nem tudo na vida é recuperável, reparável. A morte, para irmos ao limite, põe fim à vida, não tem retorno. É irreversível.

É como se fizesse, para aquela vida, parar a contagem do tempo. Inexoravelmente.

O que está feito, está feito. O que não se fez, ou fez, o que não se disse, ou disse, já não se vai a tempo de corrigir, sequer de tentá-lo.

Assim, quando nas nossas vidas atingimos a maturidade, diria que será quando tomamos consciência, que é quando percebemos realmente que a vida tem um fim, um término, que o mundo não é nosso, a partir daí será a altura para aplicarmos o conceito de vida “um dia de cada vez” ou, dito de outro modo, viver cada dia, cada momento, como se fossem o último.

 

Postas assim as coisas, o conceito de irreversível toma outros contornos. As nossas atitudes serão com certeza diferentes, talvez sejamos mais exigentes connosco próprios, respeitemos mais os outros, ao sabermos que o que fazemos, o que adiamos fazer, o que dizemos ou o que deixamos de dizer, pode não ter tempo para ser corrigido, pode não haver amanhã.

Pois, na realidade, o tempo não volta para trás. Há coisas que são definitivas. Qualquer coisa o pode ser.

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Julho 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: