26.7.17

Camera-StaffordGreen.jpg

Foto: Camera – Stafford Green

 

Saíra do trabalho por volta das dezoito horas. Naquele dia, dispensara o autocarro. Preferira o caminho a pé. Olhos haviam em todo o lado. Mesmo a pé, caminhando sozinho, não descurara os seus cuidados. Mas, naquele momento, achara que era mais prazeroso ir assim consigo mesmo e com os seus pensamentos. Permanecera fechado num cubículo durante horas. Achara que, naquele dia, merecera apreciar a brisa fresca do final daquela tarde, ainda quente, de outono.

Apesar do final de dia agradável, a cidade era negra, impregnada com cheiros descaraterizados, cinzenta e fria, tal como as pessoas. Os transeuntes, anestesiados para o mundo, indiferentes ao que se passava ao seu redor e cabisbaixos, percorriam aquelas ruas todas iguais. E era exatamente isso que se pretendia. Afinal, olhos haviam em todo o lado.

Não sei por onde vagueavam os seus pensamentos, a sua expressão mantivera-se inalterada durante todo o percurso. Imagino, apenas, que a cada passo que dava sentira-se um pouco mais perto de si e de quem era.

Chegara, por fim, a casa. Subiu as escadas do prédio, as chaves do apartamento já iam na mão. Fez uma pausa, suspirou e rodou a chave na fechadura.

Era um apartamento modesto e cinzento, tal como o resto da cidade, primado pela limpeza e pela organização. Tinha apenas uma divisão e uma pequena janela, que não deixava entrar muita luz. Ao fundo do lado esquerdo encontrava-se a cama; olhando para o lado direito tinha a cozinha e a mesa de jantar.

 

Ao entrar em casa, ligara logo a televisão, que se encontrava no centro da única divisão da casa. No mesmo canal de sempre e com programação, digamos, seletiva. O alerta passara, agora, para o nível máximo. Os cuidados com os gestos, movimentos e expressões redobraram e a anestesia voltava o fazer o seu efeito.

Tirou do mini frigorífico as sobras do jantar do dia anterior e saboreou-o com o gosto amargo de quem sabe que até isso é controlado. Lavou a loiça, pois impecavelmente limpo e organizado era ordem, e preparou-se para dormir.

Deitou-se olhando para o teto com a indecifrável expressão que o acompanhara sempre. Adormeceu, enfim. Era no son(h)o que começava realmente a viver, livre. Amanhã, quando acordar, a anestesia voltará a fazer o seu efeito.

 

Sandra Sousa

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Julho 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: