8.9.14

 

Artur é um rapaz de 16 anos que frequenta o 6.º ano. Acorda todos os dias às 6 da manhã, passa a cara por água fria, come uma torrada fria e despacha o leite frio pela goela abaixo. Veste qualquer coisa, agarra na mochila e lá vai ele, apressado, todos os dias, para a fábrica clandestina de calçado, num barraco improvisado nas traseiras de um velho armazém, coser solas. Já faz isto há quase 6 anos, tem a mão certinha, a precisão de um mestre e a rapidez necessária para os pais faturarem. Até há pouco tempo trabalhava durante todo o dia, mas a Assistente Social estragou-lhes o esquema e obrigou-o a ir para a escola. Agora já só podem ganhar as duas horas da manhã e as duas do fim da tarde.

Por vezes, vezes a mais, o Artur chega tarde às aulas. Ora porque "perde o transporte", ora porque "adormece", ora porque "adoece"… qualquer coisa serve para ficar mais tempo a coser sapatos. Mas, atenção, todas as justificações chegam à Diretora de Turma devidamente assinadas pelo pai.

O aproveitamento escolar do Artur é miserável mas o comportamento, na maior parte dos dias, é exemplar. Tem uma necessidade imperiosa de agradar, de pertencer a alguém, de ser aceite pelos professores. Está sempre disponível para colaborar no que for preciso, carregando os livros da Professora de Português, arrumando a estante do material de desenho… Procura, incansavelmente, na comunidade escolar o afeto que há muito lhe fugiu em casa. Mas de vez em quando, aparentemente sem causa que o justifique, adota uma postura diametralmente oposta, rejeitando quaisquer tentativas de aproximação. A cozinheira da cantina chegou mesmo a ser agredida por ele. O Artur tem tanto de doce como de ácido, dependendo do grau de carência ou de revolta com que acorda. É quase visível o turbilhão descontrolado de emoções que mora nele. A doçura é meramente instrumental, usada para comprar pertença a alguém; a acidez serve para eliminar a possibilidade dessa pertença. Este paradoxo é compreensível se olharmos para o Artur como um miúdo perdido, habituado a não pertencer a ninguém, com tanto desejo de pertencer mas com maior receio de ser rejeitado.

Este miúdo, de nome fictício mas apenas o nome, com uma história de vida semelhante à de muitas que grassam discretamente por este país desenvolvido afora, é o resultado de uma educação reiteradamente omissa e negligente, fator que leva a que a perspetiva afetiva sobre o mundo e sobre as pessoas fique gravemente distorcida e, em alguns casos, permanentemente danificada.

O papel dos pais na educação afetiva dos filhos é central e determinante para a formação de caráter. O caráter decorre da segurança, a segurança decorre da pertença, a pertença do envolvimento, o envolvimento do compromisso, o compromisso da responsabilidade, a responsabilidade da justiça e a justiça, por último, decorre do caráter.

A negligência parental não é exclusiva de meios socioeconómicos desfavoráveis. Embora pese, pelas dificuldades e prioridades que lhe estão associadas, a questão financeira não determina o estilo de educação. Também não depende apenas das caraterísticas do miúdo, da maior ou menor resistência à disciplina, da exteriorização de sentimentos, da comunicação… O fator principal na educação dos afetos é a importância que a criança percebe que tem face às pessoas que lhe são mais significativas. Para educar uma criança neste sentido basta que os pais se façam presentes e justos. A presença dos pais do Artur resume-se a alimentá-lo a frio e a justiça, bom, é a que vimos. Aos 16 anos, graças à Assistente Social, tomará a escola conta da minimização possível dos danos. E aos pais nada acontecerá.

 

Joel Cunha

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Setembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: