21.1.14

 

Talvez já se tenha notado que gosto de desporto e o utilizo para comparações, pontos de partida.

Para abordarmos um assunto como o “intervalo”, a temática desportiva fica mesmo à mão, não é? Aqui é fácil, nos desportos coletivos está lá o árbitro, a mesa de cronometragem e quando silva o apito ou a buzina do pavilhão ecoa, acabou o tempo, começa o intervalo. Está tudo organizado. É só descansar, ouvir o treinador. Noutros casos é mais simples ainda, depende apenas dos atletas, quando chega a determinada pontuação, termina o ponto e/ou muda-se de campo. Tempo de descanso, de retempero. Simples e reconfortante.

Nas artes e espetáculos também se utiliza muito o conceito de intervalo. Para descansar, socializar, ver e ser visto, conviver. Consumir. É um conceito que é confortável e até dá para compor o negócio.

Nas escolas, nas aulas também há intervalos, mudança de sala, de professor ou de turma. Burburinho nos recreios, no bar ou nas salas de professores. Recarregar energias, comendo, mudando de assunto, renovando condições para se estar concentrado de novo. Para uma outra aula. Até pode ser um teste.

O almoço, para além de permitir cumprir a necessidade fisiológica de nos alimentarmos durante a jornada de trabalho, é também um intervalo para recuperar forças físicas e psicológicas. Uma mudança de etapa.

Está, parece-me, evidenciado que todos sabemos o que é um intervalo, para que serve, quando acontece e, de uma maneira ou de outra, todos fazemos intervalos.

Pacífico e abrangente.

Coloquemos, então, um problema: quantos de nós, nas situações mais complexas ou simples, dramáticas e dolorosas, importantes e decisivas, não perdemos o controlo e assumimos, sem mais, que aquilo que poderia ser um intervalo, uma pausa, um mero problema ou mesmo um impasse, quantos de nós – ia perguntar – não tomámos o que poderia ser um mero intervalo e achámos logo que estávamos perante o fim? O fim: definitivo, acabou-se!

Quereis aplicar a pergunta a vós próprios, à vida afetiva, familiar, relações sociais, trabalho, dinheiro, sucesso, fracasso?

Fica a proposta.

Talvez haja jogos, vidas, relações que, se fizerem um intervalo retemperador, no momento certo, se podem prolongar e renovar por muito mais tempo.

Somos é nós a ter que decidir e agir, não vai haver apitos, campainhas, luzes a acender comandadas por outros.

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Janeiro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
15
16
18

20
22
23
25

27
29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: