2.2.15

2Mulheres4Faces.jpg

 

Não é fácil para mim escrever sobre um assunto que é tão caro quanto inexistente. Mas o desafio está aí mesmo: será descabido e propositado existir o racismo até a minha liberdade terminar, porque na liberdade dos outros ele existe. E é rancoro.

Nunca entendi isso de avaliar o QI, qualidade de caráter, ou até pureza humanista, quando se depara com a cor da pele de uma pessoa. Faz algum sentido?

Convenhamos, não é isto o maior (ou mais um enorme) disparate que o Homem se lembrou de inventar? A sério que se eu for negra ou amarela (tantas vezes o sou) serei intelectualmente superior à minha colega de trabalho que é branca e loira? Posso rir-me ou é demasiado ofensivo?

É. É demasiado ofensivo. Porque existe e porque continuará ao longo da História da Humanidade.

Sou muito atenta à liberdade dos outros. Defendo veemente a liberdade que não é minha. Defendo-a como se o fosse, independentemente de amanhã estar sozinha ou não a defender a minha. O Mundo é de todos e nós não somos mais que formigas.

Hoje, num dia de profunda desilusão com o que me rodeia e com os filhos do meu Deus (ou com o Mundo, ou com a Vida… Ou até comigo), questiono-me até quando deixaremos de atacar os outros de uma forma gratuita, vil, disparatada.

É a ladainha cultural, colonial, provinciana. É o espírito da fraqueza disfarçada de superioridade e o resumo da estupidez humana num insulto ou discriminação.

Hoje não tenho palavras: hoje a minha página é um mundo em branco de incredulidade e de sentimento de desdém.

Não é fácil para mim escrever sobre um assunto que não existe no meu coração. Não é fácil para mim defender o óbvio, abrir as mentes para o discernimento do que deveria ser tão claro, transparente. Não irei defender com argumentos batidos, discutidos, levantados, aclamados. Não virei com clichês. Não defenderei o anormal nem lutarei por mentes patetas.

Tão e somente:

Tire o seu racismo do caminho, que eu quero passar com a minha cor.”; Georges Najjar Jr

 

Sofia Cruz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Fevereiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: