5.6.15

AtrásDeDinheiro-PetrKratochvil.jpg

Foto: Atrás de dinheiro – Petr Kratochvil

 

Dinheiro, carcanhol, pilim… São várias as designações desse motor de uma sociedade (cada vez mais) capitalista. É a nossa moeda de troca e, às vezes, até de crenças: pensamos, irremediavelmente, que nos salvará a vida. Mas quando em excesso, algo se perde… algo de humano. Perde-se a (pouca?) humanidade que ainda nos resta. As pessoas mais ricas acabam por se fazer valer da sua influência financeira para ocultar todo o tipo de perversidades, sejam elas morais, sociais económicas, políticas… O dinheiro anda sempre de mãos dadas com o poder político. Há, inclusive, estudos demonstrativos de que quanto maior a riqueza, valores como a compaixão, bondade e empatia vão diminuindo. A vaidade toma-lhes o lugar. Quem pouco tem, arranja maneira de encher mais os bolsos; quem já tem muito, quer sempre mais. Torna-se um ciclo vicioso (queremos viver nele?!).

Não posso ser hipócrita: traz felicidade? Não sei… Mas ajuda em muita coisa. Quem não gosta de ter um sítio para morar e o que comer? Chegar ao fim do mês e saber que tem como fazer face às despesas? Seria utópico viver no mundo onde este não existisse… se não fosse esta a moeda de troca seria outra, com certeza, baseada (quase) nos mesmos princípios. Pensar que chega fazer o que gostamos, não é suficiente… É bom e motivador ser recompensado pelo trabalho, por aquilo a que damos o litro todos os dias. Dadas as circunstâncias, hoje em dia, nem sempre é assim… e a sensação de frustração cresce. Ter o suficiente para começar a ser independente, para não voltar todos os dias ao quarto da filha-família, à casa que não é nossa, conseguir desenvencilharmo-nos sozinhos… sem incomodar os pais, não depender deles até sabe-se lá quando…

Mas é também necessário que não nos tolde os sentidos, que o dinheiro – ou melhor o poder que vem associado ao dinheiro – não nos suba à cabeça, não nos torne prisioneiros dele. Para todos os efeitos não somos somente números (ou não deveríamos), somos gente! E é preciso não esquecer a humanidade que ainda resta em cada um, num todo que ainda acredito existir…

 

Sandra Sousa

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Junho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: