5.6.15

AtrásDeDinheiro-PetrKratochvil.jpg

Foto: Atrás de dinheiro – Petr Kratochvil

 

Dinheiro, carcanhol, pilim… São várias as designações desse motor de uma sociedade (cada vez mais) capitalista. É a nossa moeda de troca e, às vezes, até de crenças: pensamos, irremediavelmente, que nos salvará a vida. Mas quando em excesso, algo se perde… algo de humano. Perde-se a (pouca?) humanidade que ainda nos resta. As pessoas mais ricas acabam por se fazer valer da sua influência financeira para ocultar todo o tipo de perversidades, sejam elas morais, sociais económicas, políticas… O dinheiro anda sempre de mãos dadas com o poder político. Há, inclusive, estudos demonstrativos de que quanto maior a riqueza, valores como a compaixão, bondade e empatia vão diminuindo. A vaidade toma-lhes o lugar. Quem pouco tem, arranja maneira de encher mais os bolsos; quem já tem muito, quer sempre mais. Torna-se um ciclo vicioso (queremos viver nele?!).

Não posso ser hipócrita: traz felicidade? Não sei… Mas ajuda em muita coisa. Quem não gosta de ter um sítio para morar e o que comer? Chegar ao fim do mês e saber que tem como fazer face às despesas? Seria utópico viver no mundo onde este não existisse… se não fosse esta a moeda de troca seria outra, com certeza, baseada (quase) nos mesmos princípios. Pensar que chega fazer o que gostamos, não é suficiente… É bom e motivador ser recompensado pelo trabalho, por aquilo a que damos o litro todos os dias. Dadas as circunstâncias, hoje em dia, nem sempre é assim… e a sensação de frustração cresce. Ter o suficiente para começar a ser independente, para não voltar todos os dias ao quarto da filha-família, à casa que não é nossa, conseguir desenvencilharmo-nos sozinhos… sem incomodar os pais, não depender deles até sabe-se lá quando…

Mas é também necessário que não nos tolde os sentidos, que o dinheiro – ou melhor o poder que vem associado ao dinheiro – não nos suba à cabeça, não nos torne prisioneiros dele. Para todos os efeitos não somos somente números (ou não deveríamos), somos gente! E é preciso não esquecer a humanidade que ainda resta em cada um, num todo que ainda acredito existir…

 

Sandra Sousa

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Junho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: