9.12.16

Dog-Petra.jpg

Foto: Dog - Petra

 

Acordei virada do avesso: pronto, já percebi porque dormi mal, com as costuras do pijama a magoarem-me a pele de princesa(-faz-de-conta). A nesga da manhã que eu vejo da minha cama rasteira, hoje cinzenta e carrancuda, abriu-se num risinho sarcástico de sol – “quem te manda ir para a cama tarde e a más horas, já sem saber se é sono ou desleixo, essa tua mania de não virares o pijama do direito quando o vestes?”.

A nesga da manhã, o ronronar do dia, a vida que é tarde, o desalento que é sempre. E o aperto no peito, que não quero chamar angústia. A entrega. A entrega, essa companheira maldita, que me reduz à paralisia do corpo e me seduz com o voo da alma.

NÃO! – repito-me, enquanto o motor do universo lá fora tenta adormecer-me de novo, como que esmagando-me, como que tolhendo-me, como que aliciando-me com mais um minuto, uma hora, uma manhã, um dia, uma eternidade. Que eu sei, eu sei, são só ilusões que tomo com o copo de água que não bebo, ao acordar.

O meu bichinho de estimação remexe-se algures, pelo quarto, talvez não-incomodado com as não-costuras da sua cama rasteira. Não-costuras. Que sorte a dele, não viver condicionado por costuras e pijamas, e asfixiado por minutos, horas, manhãs, tardes, dias – eternidades.

 

Que sorte a tua, Kookie, por viveres aprisionado num espaço confortável e seguro, e numa vidinha de pequenas exigências: uma festinha de vez em quando, um olhar cúmplice quando te entendo, um passeio na erva molhada, uma corrida sem trela no hall do prédio, e os poemas que escreves no ar, com a tua cauda felpuda e sempre inspirada.

Vens até à minha cabeceira buscar o teu primeiro mimo, reclamando-o meigamente com a tua patinha-de-lã quase carícia, e tentas alcançar-me, com o narizinho ávido de cheiros, de respostas, de ar, principalmente do que me cerca. E entregas-te, no reconsolo simples da minha mão displicente e lenta. Encostas a cabecita na beirinha da minha cama, contentando-te com o meu toque leve e o meu olhar fundo e a tua expressão é mais que gratidão, é mais que plenitude, é mais que confiança, é quase Amor. Doce – fecho também os meus olhos – “como é doce essa segurança de te ter: aveludado e morno, atento e disponível, feliz e sem cobranças.”.

 

De repente, uma verdade de fundo magoa-me as pálpebras e obriga-me a abrir os olhos, como se uma força física me estivesse a apertar, em círculo de poder esmigalhante e, ao mesmo tempo, reconstituinte e reconstrutor:

“E se eu NÃO te tivesse, meu companheirinho de pelo demasiado, e carinho nunca em excesso?”.

“E se eu NÃO tivesse um pijama, de costuras tão avessas e um aconchego nunca agradecido?”.

“E se eu NÃO tivesse uma manhã para me acordar, birrenta e cinzenta, mas tão garantidamente atestada pelo ronronar da vida lá fora?”.

“E se eu NÃO sentisse esta angústia que é desalento, mas tão nítida e humanamente aberta aos estímulos, às sensações, à voz interior que me diz: ‘levanta-te!’?

‘E se tu NÃO pudesses...?’

‘E se tu NÃO fosses...?’

‘E se eu NÃO...?’

Olho de novo o meu cãozinho, ainda ali, amparando-me a raiz de uma pequena força, algures nas profundezas do meu ânimo. E vejo-A, nitidamente, nos olhos dele – a ESPERANÇA não é verde, não é palavra, não é lato conceito – neste momento, é apenas uma luzinha de cor indefinida, bailando trémula nos olhos do meu animalzinho de estimação.

Sorrio, quase sem querer, embrulho-me em mim mesma, num gesto intuitivo de reconforto, puxo o Kookie para cima da cama, e ficamos os dois, saboreando a proximidade dócil da ternura e do amor incondicional – a Vida é um colo. Um castigo, às vezes, mas sempre MÃE.

E permite-nos sempre a Esperança, sim - que se lixe o pelo nos lençóis!

 

Teresa Teixeira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Dezembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
17

18
20
22
24

25
26
27
28
29
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: