12.2.16

WomanReadingABook-PetrKratochvil.jpg

Foto: Woman Reading A Book – Petr Kratochvil

 

Falam de mudança. Dizem que se não estou bem assim, devo mudar. Mas mudar para onde? Para um outro estado no qual me sinta melhor. Mudar como? Terei de ser eu a descobrir como mudar. Mudar o quê? Tudo aquilo que eu queira e possa mudar para que a minha vida fique diferente.

E eu concordo. Se não estou bem assim, se não me sinto bem, se morro quando quero viver, terei de mudar, terei de estar bem, de me sentir bem. Entendo e concordo até ao fundo da minha razão. Mas como mudo? Como posso eu mudar? O fundo do meu coração não entende isto. Ele entende que estou mal, mas não sabe como mudar.

 

Acho que não posso mudar; não tenho poder para isso. É isso! Para mudar eu necessito de poder, de um poder de mudança. Mas agora, aqui, nada posso. Como consigo arranjar poder? Onde está? Quem o dá? Como o procuro? Como o recebo? Como trabalho o poder para aquilo que quero?

 

Vamos lá, eu ainda não sei se quero. Logo, não sei o que quero. Bem, querer, quero que toda esta gente se lixe, que vão para Marte, que desapareçam, que tenham aquilo que merecem e me deixem em paz. Isso, eu quero. Mas a mudança não deve ser isso. Então, para mudar é necessário querer e poder. E eu não quero, nem posso. Logo, nada feito.

 

E para quê mudar? As pessoas serão diferentes? A minha família passará a visitar-me? Os meus colegas de trabalho serão mais solidários e dialogantes? O meu chefe deixará de ser um ditadorzinho? Os meus vizinhos serão mais simpáticos e colaborantes? Não acredito. O que os faria mudar? Também não devem querer, nem devem ter poder. Estamos todos no mesmo barco, todos perdidos. Isso de querer e de poder é só para privilegiados.

 

Não me venham falar de mudança! Para isso tragam, numa mão o poder e na outra, o manual de instruções. Assim, sim, estarão a ajudar e eu saberei o que fazer. Assim já quererei e já poderei, já mudarei. Mas isso eles não fazem. Se calhar não podem…

 

Fernando Couto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sara Silva (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Fevereiro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
18
20

21
23
25
27

28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: