23.2.15

TranlhadoresNaEstrada.jpg

 

Quando era pequena, sabia que tinha que crescer e ir trabalhar para ganhar dinheiro.

Fui lendo e percebendo que o ideal seria ganhar dinheiro com aquilo que se gosta de fazer.

Então, chegaram as questões que traçaram todas as opções tomadas:

O que quero ser o resto da minha vida?

Tenho que continuar os estudos ou posso ir já trabalhar?

Quanto dinheiro será preciso para investir num curso?

Será que o dinheiro investido compensará?

O que eu gosto dará um bom sustento?

Finalmente, assumi uma identidade e uma forma de estar na vida que traçou todo o percurso e escolhi a minha profissão e a forma ideal para que eu a possa desempenhar.

Agora que estou completamente embrenhada no que faço, não o trocaria, mas penso constantemente no que posso fazer para ganhar mais para a minha qualidade de vida ser melhor.

Ou seja, a profissão em si deixou de ser o centro da questão e passou a ser o dinheiro que ganho com ela.

Quer dizer, analisando friamente as questões anteriores, o dinheiro sempre pesou nas decisões quanto à profissão…

Parece-me cada vez mais utópico pensar em profissão como vocação… Mas lá vou conseguindo… Com muito suor, dedicação, esforço financeiro, físico e emocional.

Trabalhando com os mais novos, já deixei de perguntar tantas vezes “O que queres ser quando cresceres?”. Ou se pergunto, não associo a uma profissão, mas sim ao que se gostaria de fazer, que área do conhecimento e prática gostam mais. Depois das respostas, pode ser que seja possível arranjar forma desses interesses e gostos pessoais passarem a ser uma profissão em vista para o futuro.

Conheço inúmeras pessoas que não vivem na utopia, como eu. Preferem assumir a profissão apenas como um trabalho que se tem que fazer e, na maior parte das vezes, vivem frustrados porque chegam ao final do dia e sentem que nada fizeram para que esse dia valesse.

Porquê? Porque aquilo para o qual realmente teriam vocação, aquilo que para si mais faria sentido, não é posto em prática, em detrimento de uma função que tem que ser para pagar as contas.

Mas será assim tão grave? Se calhar não…

A realização que sentimos quando desempenhamos diariamente o que gostamos é facilmente substituída por frustração quando aparecem concorrentes, quando o nosso trabalho não é valorizado, quando as nossas forças vão abaixo.

Um dia de cada vez, sempre crendo que o que fazemos, fazemos bem e com as melhores das intenções para os nossos e para nós.

Chegar ao fim da vida e pensar que tudo fizemos para conseguir levar dela o melhor e deixar aos outros um bom exemplo.

O peso da profissão é grande, pois mais de metade da nossa vida é passada a desempenhá-la. Se isso não for vivido em pleno, para quê viver?

 

Sónia Abrantes

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Fevereiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: