10.11.14

 

A D. Clara tinha quase 90 anos. Tinha uma família grande, alguns filhos, muitos netos, mas vivia sozinha. Tinha o seu quintal, entretinha-se a tomar conta de alguns legumes que cultivava, de algumas flores que plantava e de alguns gatos que por lá passavam em jeito de visita. Os filhos e os netos iam muitas vezes lá a casa falar com ela, ver como estava, fazer-lhe companhia, saber dela. Sempre que lá iam a D. Clara fazia aquele maravilhoso bolo de maçã que toda a gente na família adorava e que era sinónimo de festa e de convívio – não havia reunião de família em que não estivesse aquele bolo na mesa e aquele cheirinho pela casa fora e lá fora na rua!

Ultimamente, as visitas à D. Clara eram mais raras, menos frequentes. Vivia longe, era caro ir até lá, há que reduzir despesas e cortar nos gastos. Os filhos e os netos continuavam a fazer-lhe visitas, mas muito mais espaçadas no tempo.

Entretanto, a D. Clara começou a sentir-se cansada, sem ânimo, triste e de certa forma angustiada. Não sabia bem porquê. Estaria doente? Seria da idade? Seria dos anos que começam a pesar? Seria saudades dos filhos e dos netos? Seria do tempo? Todas estas questões, foi colocá-las a um médico que conversou com ela, que a examinou e que no final lhe receitou alguns medicamentos que a fariam sentir-se melhor.

A D. Clara veio com a receita na mão, pelo caminho fora. Nunca tinha tomado remédios na vida dela, nunca precisara. Será que o remédio era render-se a eles? Foi até à farmácia, mas a receita era extensa, eram tantos medicamentos e tão caros que só comprou metade! “Não preciso de tanta coisa, isto há de passar!”. Levou apenas dois ou três medicamentos consigo pelo caminho para casa. Seguiu a receita do médico e tomou-os, mas não parecia melhorar. Continuava cansada, desanimada, triste e agora com muito sono! Já nem lhe apetecia ir ao quintal, só queria ficar na cama.

Os filhos e os netos continuavam a visitá-la, mas já não era a mesma coisa. Já não viam a casa de portas abertas e de quintal à mostra. Já não conseguiam que as conversas fossem longas e a presença alegre. E já não havia o bolo, o delicioso bolo de maçã que perfumava a casa e aliciava a rua. Festa já não era sinónimo daquela casa, convívio já não era sinónimo daqueles dias de visita.

Até que para uma das netas a solução surgiu clara como água! Reuniu alguns primos e foram visitar a avó de surpresa. Chegaram, deram-lhe um beijinho algumas palavras e foram para a cozinha. Ligaram o forno, prepararam a mesa e puseram cá fora as panelas, as formas, o rolo da massa, a batedeira, a varinha mágica, enfim tudo o que seria necessário. Falavam e riam, distribuindo funções e tarefas. Logo depois apareceram os tios com os ingredientes: um trazia a farinha, o outro trazia os ovos, o outro o açúcar e as maçãs. Puseram tudo em cima da mesa e começaram a descascar, a juntar, a bater, a espalhar. Tudo numa grande algazarra porque tanta gente numa cozinha só podia dar nisso – muita conversa, barulho, gargalhadas, confusão… Foi quando a D. Clara apareceu à porta, a ver o que se passava. Que barulheira era aquela? E foi quando viu a cozinha cheia, a mesa toda suja de farinha, de cascas de ovos e de maçã e toda a gente a conversar, a dar palpites, a brincar. “Para o bolo ficar bom, as maçãs têm de ficar acamadas na parte de cima. Assim.” e começou a mostrar como se fazia. Abriram caminho para deixá-la chegar à mesa e com toda a gente à sua volta a ver como era a D. Clara foi colocando as maçãs enroscadas umas nas outras. “Agora experimentem vocês” e cada um foi pondo um pedaço de maçã juntinho a outro até cobrir a massa que estava por baixo. Puseram a forma no forno e todos se sentaram à volta da mesa a conversar e a contar trivialidades ou histórias enquanto esperavam. Um cheirinho começou a espalhar-se pela casa e pouco depois saiu para a rua.

Serviram o bolo com chá, sumos e café. Todos à mesa a saborear aquele bolo de família.

A casa estava cheia a julgar pelo barulho e pelos sons, o bolo continuava delicioso a julgar pelas exclamações e elogios e a D. Clara estava muito melhor a julgar pelo sorriso enroscado na cara e pelo calor que sentiu em sua casa e que há muito não aparecia!    

 

Patrícia Leitão

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Novembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
14
15

16
18
20
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: