18.4.16

Woman-PublicDomainPictures.jpg

Foto: Woman – Public Domain Pictures

 

Há pouco tempo, numa das tantas viagens pelo mundo imenso que é a Internet deparei-me com uma daquelas frases cliché que toda a gente partilha nas redes sociais: “A falta de responsabilidade de uns acaba por atrapalhar a responsabilidade de outros”. Acabou por dar o mote a este texto. Porquê? Porque há algo, ultimamente, que me tem inquietado o pensamento, fruto também da minha vivência no mercado de trabalho.

 

Numa vivência em comunidade e em sociedade, como é a nossa, o relacionamento com o(s) outro(s) é fundamental e imprescindível. Mas se assim é, como podem existir pessoas que não se importam com a forma como as suas atitudes, decisões e comportamentos afetam a vida dos que lhe são próximos?

Como pode haver quem consiga deitar a cabeça na almofada, à noite, e dormir descansado e tranquilamente quando, por exemplo, não paga aos seus funcionários? Quando sujeitam os trabalhadores a situações de trabalho precárias, muitas vezes, demasiadas vezes, utilizando o argumento “crise”, que vai servindo para tudo, para justificar uma má gestão e administração? É o vale tudo? Como pode uma pessoa ser tão inconsciente da consciência de outro ser humano?

Pois eu tenho bastante dificuldade em compreender como alguém, que sujeita outrem a tal, consegue conviver consigo mesmo. Continuo a ter dificuldade em compreender como alguém não tem consciência da sua irresponsabilidade perante os outros.

 

Extra questões laborais: Se a nossa vivência é em comunidade, se vivemos em sociedade, não deveríamos nós olhar mais para o vizinho do lado, para as pessoas que nos rodeiam? Cada um de nós tem as suas responsabilidades, mas muitas vezes esquece-se que a sua (ir)responsabilidade afeta, direta ou indiretamente, a responsabilidade dos outros.

 

Sandra Sousa

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Abril 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Há uma força interior que nos orienta nas decisões...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: