11.5.15

SaidChild-GeorgeHodan.jpg

Foto: Said Child - George Hodan

 

A felicidade é uma herança pesada. Tal como as amarguras e os infortúnios do passado. Para o bem e para o mal, não é fácil desvincularmo-nos daquilo que fomos, não é fácil despir a roupagem das vivências que carregamos dentro de nós, e ainda mais complicado se torna, quando percebemos que só dissolvendo (não é apagando!) o passado, é que podemos viver o presente e aguardar sem ansiedade o futuro.

A maior ironia é que a minha vida é o meu maior exemplo de que nada é como esperamos, de que em cinco segundos a casa vai abaixo… mas nem isso me fez viver o agora sem expetativas. O Carpe Diem, de que eu era fiel devota, tornou-se uma ironia, e durante longo tempo vivi no limbo, completamente suspensa entre o passado quase idílico e o pânico do futuro, sem perceber que a vida não para e se constrói todos os dias. A vida acontece no agora e eu recusava-me a aceitar esta evidência.

Chegar a essa conclusão não foi fácil nem rápido, mas senti na pele que viver alheada fez-me passar ao lado de alguns anos de uma pequena vida, que resgato no agora, a cada segundo, em que tento ser sempre mais e melhor Mãe. Fez-me quase perder-te, a ti, que entretanto chegaste e eu por tanto te querer no meu futuro, não soube como dar-te um agora. Deixei-te no umbral sem saber se te dizer adeus, ou convidar a entrar. Até que o amor me fez perceber que, por agora, pintar a três mãos as paredes desta minha casa em (re)construção, me parece um excelente AGORA.

Decidir que a vida não me vai enterrar mais na minha deambulação estéril pelos seus caminhos inóspitos e crus, em busca de explicações, não foi simples, mas perceber que ainda há muito caminho para caminhar, e saber que posso decidir qual o calçado para percorrer esse chão, assemelha-se a uma pequena catarse. E é por aí que tenho seguido, tentando libertar-me a cada passo da ansiedade do que ainda está para vir, e cultivando a máxima de que as expetativas são ervas daninhas.

Mas não se iludam vocês também, caros amigos: viver o agora é também sermos guerreiros, e dos bons! Viver no agora é enfrentar o lado adverso da vida, é o exercício contínuo de não criar expetativas, mas sim acalentar desejos, é ter que conviver com pessoas tóxicas, é não saber como é que se vai chegar ao final do mês sem um tostão na carteira, é enfrentar a insegurança do nosso emprego e da situação frágil deste nosso país. Viver no agora é ter noção que a qualquer altura podemos perder os nossos entes mais queridos, ou pior, é vê-los a cada dia esvaírem-se numa qualquer doença crónica ou degenerativa, sem os podermos agarrar. Viver no agora é viver na saudade dos amigos e familiares que vivem longe de nós, e são tantas, mas tantas outras coisas difíceis… Sim, o agora é cinzento e há dias em que não se consegue vislumbrar para além da névoa.

Desta forma, não nos resta muito mais se não aceitar que nem tudo está ao nosso alcance para mudar, e potenciar a nossa capacidade de colorir o Agora, da melhor maneira que conseguirmos, para nos permitirmos fruir o melhor que temos no presente: a cumplicidade e o amor inabalável da família, aquela mesa cheia de amigos que nos faz sentir que vão estar sempre lá, o sorriso ímpar dos nossos filhos e as suas frases e fases mais castiças, que guardaremos para sempre, o estar simplesmente de mão dada com quem nos faz sentir que o amor ainda é mágico, não importa onde, a contemplação daquela paisagem de cortar a respiração, e fechar os olhos para imprimir para sempre aquela imagem dentro de nós…

Isto para dizer-vos que demorei, quase que fiquei pelo caminho, sentada na beira da estrada, com muita pena de mim e arrasada por sentir que nunca mais ia ser feliz, mas tive que me permitir dar um passo em frente, e o tal Agora, por muito cinzento que também seja, é agora a minha meta, e bastante difícil, sobretudo para quem sofre de ansiedade patológica. Não é fácil, simplesmente, ter esperança, serenidade e esperar que tudo corra pelo melhor, mas tal como há uns anos escrevi a um amigo, sem perceber que esta frase se aplicava tão bem a mim - “O presente é o presente que a vida te confia nos braços”.

 

Ana Martins

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Maio 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: