23.7.14

 

A delinquência surge geralmente da necessidade de se encontrar na rua o que em casa falta: por vezes é pão, por vezes é afeto, por vezes é justiça, por vezes é opção própria, por vezes é tudo isto junto. Para se fazer um delinquente são necessários ingredientes simples e um modo fácil de os misturar: ambiente familiar errante, situação económica magra, gorda dose de incongruências na educação e maus exemplos por parte dos modelos parentais. As causas da delinquência são plurais e não se esgotam nestas. Compreendê-las é importante mas não atenua nem soluciona o problema.

O verdadeiro combate à delinquência, partindo do princípio de que aqui estamos todos de acordo quanto à sua definição mais geral, não é fácil nem simples. Trata-se de um exercício que pretende interromper a espiral viciada de que se alimenta o delinquente, espiral essa que, com o tempo, passa a fazer parte e a definir a sua própria identidade. É óbvio que uma boa prevenção seria a melhor solução, mas numa sociedade real a prevenção acontece, não raras vezes, tarde.

Uma intervenção remediativa deve, na minha perspetiva, iniciar-se aos primeiros sinais de que algo não vai bem. Enquanto se aguarda por dados mais concretos vai-se dando oportunidade à consolidação do problema. A distinção entre um arrufo isolado e um ato inserido num contexto de desobediência mais vasto não é assim tão difícil. As educadoras sabem-no bem.

Na adolescência, a partir dos 12, 13 anos, a intervenção deve ser musculada, verdadeiramente multidisciplinar e multicontextual. Musculada porque o assunto é sério e exige firmeza, multidisciplinar porque deve envolver diversos agentes (educativos e clínicos) e multicontextual porque a reabilitação de um delinquente juvenil não ocorre (ou ocorre muito dificilmente) se ele puder vestir uma pele diferente nos diferentes contextos em que circula.

Cada caso é um caso e a fórmula que serve a uns não tem necessariamente que servir a outros. No entanto há procedimentos que têm vindo a ser negligenciados, nomeadamente na escola (provavelmente por colidirem com outros preceitos tidos como mais importantes), que poderiam devolver às salas de aula a tranquilidade de outrora e que permitiriam ao professor utilizar mais o seu tempo a lecionar e menos a "apagar fogos". Um desses procedimentos, talvez um dos mais importantes, é a revisão da prática disciplinar. Enquanto as questões de disciplina minarem o ambiente escolar, pouca disponibilidade sobra para que os professores ultrapassem o seu papel e ensinem também para além da lição. Fora do contexto escolar, uma boa parte da delinquência surge da falta de projetos desenhados para envolver e ocupar os adolescentes. Um investimento sério, a nível nacional, em atividades interessantes e criativas, que direcionassem a energia dos adolescentes para causas úteis e nobres (como por exemplo o voluntariado), não só preveniria o surgimento de comportamentos desviantes como combateria boa parte da delinquência instalada.

Este é um problema complexo, multifacetado e sem solução à vista. Tem raízes na organização urbana, social e económica, é certo, mas a maior parte do seu peso advém da qualidade da formação, do civismo e do respeito. A subtração da liberdade, se por um lado tem servido a dupla função de castigar/reabilitar o delinquente adulto e de proteger as eventuais vítimas, tem, por outro, afirmado o redondo fracasso de todos os mecanismos de prevenção e de contenção dos comportamentos marginais que lhe estão a montante. Um povo mede-se muito mais pelos valores que defende do que pelas medidas de combate que se obriga a criar.

 

Joel Cunha

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Julho 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
15
17

20
22
24

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: