18.11.15

Imagem.jpg

 

Não sou medricas, mas tenho medos. Medos patéticos que não me condicionam, medos compreensíveis se o que está em causa é o desconhecido e medos necessários porque me defendem de consequências que podem pôr em risco a minha segurança. Mas o medo de todos os medos, o que mais me horroriza, é o da separação. Tenho medo, muito medo, de perder definitivamente aqueles que amo. Não consigo a elevação necessária e suficiente para me contentar com a ideia de que um dia, talvez, nos voltaremos a encontrar. Preciso de sentir a presença deles, de vê-los, de povoar o meu pensamento com imagens.

Acontece, por vezes, que essa necessidade é tão imperiosa que o meu inconsciente me defende levando-me a sentir e a ver pessoas de quem me separei. Acontece das mais diversas formas mas, com frequência, acontece-me sonhar com elas.

 

E é em sonhos que muitas vezes a revejo e mato saudades. Nunca dou pela sua chegada, vejo-a simplesmente. Ali permanece em silêncio sem outro propósito que não seja o de velar o meu sono. Está à vontade, com a naturalidade de quem pertence àquele lugar e de onde parece nunca ter saído. Vejo-lhe o rosto, o mesmo rosto que serviu de tela ao tempo que lhe desenhou toda uma vida em riscos profundos e lhe matizou os cabelos de cinzento e branco. Mas está tão igual a ela própria, tão familiar, que a sua presença não me intriga ou surpreende. Fico feliz por a ter junto a mim.

Não fala, nunca foi de muitas falas, mas sorri para mim. Um sorriso tranquilo de quem sabe amar e não cobrar por esse amor, capacidade que os ascendentes nos ensinam mas que nem sempre aprendemos, ou tardamos em aprender. Quero agradecer-lhe e retribuir esse amor num abraço até à eternidade. Estendo os braços mas o contacto com o seu corpo tarda. Abro os olhos. À minha volta um vazio de morte e o único medo que sinto é que esse seja o nosso último encontro.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Novembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28

29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: