9.6.14

 

O luto anda de braço dado com o apego. Enlutamo-nos, com maior ou menor severidade, sempre que perdemos alguém (ou algo) a quem (ou a que) éramos apegados. O luto é uma mescla de sentimentos pesados que emerge quando nos é subtraída uma parte significativa de nós. O apego é a pertença a alguém ou a algo. Esta pertença, quando ultrapassa o plano material e passa a revestir-se de emoção, começa a fazer parte de nós, contribuindo para o nosso bem-estar e até para a nossa identidade. Somos, para o bem e para o mal, o que temos, as pessoas que amamos (e as que odiamos), principalmente as que gravitam perto de nós, somos tudo aquilo que entra na nossa vida e na nossa história pessoal.

Tenho ouvido umas vozes convictas a defenderem e a apregoarem fórmulas "ganhadoras" de felicidade que têm o desapego na sua raiz. Se bem entendo, o desapego é a capacidade de nos desligarmos das pessoas, dos objetos, dos feitos, das aquisições e do passado sem que, contudo, ponhamos de lado aquilo que por tudo isso sentimos. É conceber o mundo e as pessoas como existentes nos seus contextos e vidas sem que façam verdadeiramente parte de nós, sem que nos pertençam. É uma espécie de libertação emocional que diminui o sofrimento quando alguém nos é arrancado por morte, divórcio, separação, perda ou desaparecimento. É, numa das melhores metáforas que li, como ter um pássaro pousado na mão, que voará a qualquer momento e nós sabemos disso e aceitamo-lo.

Este conceito parece-me válido em situações nas quais não há alternativa, como por exemplo, quando o povo tibetano começou a ser atrozmente perseguido e massacrado pela tirania imperialista chinesa de meados do século passado. Parece-me igualmente válido para quem aprecie uma boa teoria e queira para si uma vida de emoções moderadas. E julgo ser particularmente útil para todos os que procurem soluções místicas para o sofrimento.

Do meu ponto de vista, o desapego tem na sua essência uma existência contaminada pelo medo: medo de perder, de sofrer, de não controlar as emoções, de ficar dependente dos sentimentos... Como convivem os desapegados com a vida, com os prazeres da vida, com o outro lado do apego? Moderadamente, também?

A vida vai tendo, em maior ou menor grau, aqui e ali, agora ou mais tarde, estes dois lados: o prazer e o sofrimento. Um sem o outro não têm definição. Por muito que custe, o luto faz parte dela: estamos sempre sujeitos a perder alguém ou algo. E nem sempre é para dar lugar a uma reposição ou a uma melhoria. Simplesmente perdemos. Mas a vida tem também todo o outro lado, o do amor, da proximidade, da boa gargalhada, da intensidade, da entrega absoluta ao outro, voluntária, para dar e receber.

Não há fórmulas e cada um escolhe a postura que melhor lhe serve: o desapego é um conceito interessante, mas não, obrigado!

 

Joel Cunha

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Bessa Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Junho 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28

29


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: