2.3.14

 

Não é muito difícil verificar que existem nos dias atuais significados completamente diferentes, ou até mesmo antagónicos, sobre normas e valores que anteriormente eram socialmente aceites. Decidi fazer uma pequeníssima compilação dos seus possíveis novos significados e diferenças:

 

- Deixar que o seu animalzinho de estimação defeque livremente nos passeios, significa que se o próximo calcar e sujar o sapato não tem qualquer importância, até porque é sabido que  calcar um dejeto dessa natureza poderá trazer sorte. Por isso, o dono do animal apenas contribui para espalhar a boa sorte.

 

- “Por favor”, pouco, raramente ou quase nunca se aplica. Entrou gradualmente em desuso, parece que foi substituído por um abanar de cabeça, acho que quer dizer mais ou menos a mesma coisa.

 

- “Obrigada” de quê? Para quê? Outro termo arcaico, este parece que foi trocado por um grunhido impercetível que quase nunca ouço ou entendo.

 

- “Desculpe”, “dá-me licença”, e outros similares, quem encontrar, sem ser em forma de encontrão, por favor diga-me que eu já não os vejo há algum tempo.

 

- Gosto particularmente de uma nova forma de se entregar as coisas: agora atira-se e espera-se que o outro apanhe. Estender a mão e esperar que o outro agarre, acredito que dará muito trabalho.

 

- Nem imaginam o quanto gosto de uma técnica de expressar o nosso desagrado com o comportamento dos outros, principalmente quando conhecemos esse outro. Falar bem alto virado de costas e dizer tudo o que apetece, sabendo que se o outro não é surdo o irá ouvir, mas sem poder dizer nada pois se o fizer seguramente se tratará de um grande malcriado.

 

- E quando temos de passar em simultâneo num mesmo espaço, por exemplo num passeio, onde um vai e o outro vem? As recomendações são: deve-se seguir em frente ignorando a presença de quem quer que seja e se isso significar um encontrão (parece que este está bastante na moda como forma de interagir com o semelhante) assim seja.

 

- No trânsito, oh meu Deus, no trânsito, assisto diariamente a manifestações de educação e respeito pelo outro. Desde nos agraciarem com um “...filha da p***...” quando nos atrasamos em avançar instantaneamente, quando o semáforo muda de cor, a um conjunto praticamente indecifrável de gestos, apenas conseguindo distinguir aquele dedo, a que chamam de pai de todos, bem esticado na nossa direção. Que amabilidade!

 

- As caixas de supermercado costumam ter assinalada uma caixa prioritária, mas desenganem-se aqueles que pensam que é para os mais velhos, grávidas ou pessoas com deficiência. Os símbolos querem apenas dizer “- Oh espertalhão se esta caixa está vazia e tu cheio de pressa avança! Mesmo que atrás de ti esteja alguém assim com mais de 70 anos”.

 

- É espantoso como um pequeno objeto, que serve para comunicar, se consegue impor a qualquer outra situação. Por exemplo, se se está num jantar, imaginem com mais de 10 pessoas, e este objeto tem a decência de tocar... para tudo!!! “ Vamos lá a calar! Não veem que estou ao telemóvel ?????”. E é vermos 9 caritas constrangidas por não terem respeitado a etiqueta e se terem esquecido de se calar mal aquela coisinha tocou.

 

- Não poderia deixar de fazer uma rápida referência a todos os astuciosos da nossa sociedade, que sempre que encontram uma fila, precisam de passar à frente dos restantes. Mas o melhor é quando se reclama, a desculpa é que não viram, claro que não viram, todas as outras pessoas de quem tentaram passar a frente sofrem de uma doença pois ficam momentaneamente invisíveis.

 

- Para terminar, alguém ainda se recorda do cavalheirismo? Oh já é uma coisa muito antiga, do tempo dos dinossauros, pois praticamente ninguém o exerce e desconhece por completo o que isso quer dizer e o que implica. Eu tenho saudades de encontrar, na rua, um cavalheiro. Mas isso é já pedir quase um milagre...


Meus caros, de coisas tão pequeninas falei aqui, existem outras muito maiores, mais sérias e muito mais graves, mas cada vez mais a ausência destas se espalha e espelha uma sociedade mais pobre e a padecer de pequenos valores, normas e conduta de boa educação que fazem toda a diferença. Depois a malcriada sou eu que tenho mau feitio.

 

Susana Cabral

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Março 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
19
20
22

24
26
27
29

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: