13.2.15

MaosP&B.jpg

 

Vários cenários se afiguram acessíveis a refletir em torno de um tema que para muitos constituiu um dos maiores problemas sociais. Como parte do continente negro que durante séculos, devido ao jugo colonial e ao “atraso” que o remeteu à cauda no ranking de desenvolvimento, seria tentado a enveredar por uma abordagem eminentemente rácica, porém trivial. Entretanto, uma abordagem mais objetiva e profícua do termo mostra-se mais ajustada ao meu exercício lexical.

O racismo é um tipo de preconceito, uma ideia preconcebida e pejorativa a respeito de uma etnia, raça, ou um povo em particular (www.significados.com.br). De facto não me enganei a respeito das diferenças entre as pessoas, faltava um conetor, esta ligação lógica, tal compreensão morfológica que despe a seco a falta de consenso patente nas disputas concetuais, algumas vezes associada à falta de extensão e inelasticidade das nossas posições às dos outros e até a discriminação que enfrentamos nas cadeias de relacionamento.

O’Sullivan, Sheffrin & Nishijima (2004:74) defendem de forma lacónica que o termo elasticidade mede a sensibilidade de resposta da quantidade demandada à mudança sobre as variáveis que a determinam. A relação casual entre a procura e a oferta percecionada através do respetivo preço determina a respetiva elasticidade. Entretanto, a reação dos consumidores a mudanças de preços varia de um para outro bem, em face de sua disponibilidade; os consumidores podem recorrer, em resposta a esses estímulos, a bens substitutos.

Quando se tem uma ideia preconcebida sobre determinada pessoa, as ideias por ela apresentadas e defendidas são tacitamente rejeitadas, são nocivas, não são consumíveis. A perceção que se forma à partida bloqueia qualquer interesse consciente ou inconsciente de capturar e digerir de forma seca e objetiva as suas ideias. A fraqueza humana é semita, muralha que esconde as nossas fragilidades, limitação em compreender o nosso semelhante.

Evidentemente que esse exercício inconsciente é parte da nossa luta e das nossas convicções, afinal, as pessoas são feitas de valores adquiridos e consolidados ao longo da sua vivência. A transposição cultural é um ato de autossuperação na medida em que incorre sobre nossas próprias crenças implicando algumas vezes a destruição criadora e consequente aceitação de novas ideias sempre que acrescentem valor a longo prazo.

Comportamentos racistas incitam a convicção de superioridade de determinada raça com base em diferentes motivações, assente na busca da perfeição, de um modelo único, na busca de uma posição de poder e vantagem relativamente ao outro, que redunda sempre num ciclo de frustração progressiva. Saber lidar com o stress compreende a tolerância, atitude de aceitação, cedência, abdicar ou adiar interesses imediatos para posterior, comprando paz com os outros. A indulgência é sabedoria, uma competência distinta no campo da gestão de conflitos que permite a rápida integração e aceitação nos diferentes ciclos e fóruns.

Assim, como superar e encontrar uma solução win-win ao diferendo que possa existir nas relações humanas? Através do diálogo contínuo centrado na razão, guiado pela lógica, evitando-se clivagens maiores que possam interromper o diálogo, sem se frustrar. É partilhando ideias que crescemos e aprendemos, uma total abertura ao mundo da descoberta sem contemplação, o que exige aceitar a nossa fraqueza como condição para aprendizagem contínua e para o renascimento.

A isenção humana é outro sinal de superação dessa dificuldade presente, naturalmente, na maior parte das pessoas. Em ciências sociais a qualidade de ser isento, também, pressupõe muito além da aplicação da velha ou mágica fórmula pois é pouco provável que determinado procedimento ou área de intervenção rejeite ou seja imperial relativamente a outros campos do conhecimento científico e mesmo sagaz.

Um mundo sem preconceitos pode revelar-se uma utopia na medida em que as diferenças são a base da existência e diversidade humana, o desafio diante dessa realidade é o sinuoso caminho da unificação que remete ao perdão primeiro a nós próprios e depois aos outros.

 

Antonio Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

De Dário Pessa a 17 de Fevereiro de 2015 às 10:19
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que por vezes tentamos corrigir as pessoas de actos ou atitudes, nao no sentido de julgar mas sim no sentido de ensinar e só por esse acto nobre já começam confundir que ''lá vem o sabe tudo'', que por vezes é acompanhado de um nome racíco, mas ningúem é mais que ningúem, como defende John Locke (1632-1704) ao nascermos somos uma tábua rasa e o todo o processo do conhecer, do saber e do agir é aprendido através da experiência que é contínua.

MC.
Dário Pessa

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Fevereiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: