30.3.15

LaPecoraNera.jpg

 

Com um suave movimento de costas, Luís acomodou-se um pouco melhor na cadeira. Esticou o pescoço um pouco mais para a frente, para ver melhor aquele texto. Como assim ainda não resultava, inclinou o écran do portátil um pouco menos. Agora sim, tornara o cansaço de tantas horas de leitura de anúncios um pouco mais suportável. E recomeçou a leitura.

- Pois!... Onde é que eu já li isto?

Ouviu a chave a penetrar a fechadura. Olhou instintivamente para o canto inferior direito do écran.

- Dezanove e um. É Joana! Hoje chegou à tabela.

Luís continuou a ler. Joana continuou a entrar. Encontraram-se dali a instantes, na sala, junto ao portátil.

- Olá querido. Estás bem?

O indicador e o médio da mão esquerda dela saltitaram na cabeça dele.

- Hum!...

A cabeça dele abanou num sim de pequena amplitude, para não perder a linha de leitura.  

- Encontraste alguma coisa de jeito?

- Tudo sem jeito!

- Nada!? Nem unzinho? Nem uma aproximação?

- Para pessoas, nada. Só há oportunidades para seres alienígenas.

- Lá estás tu… Algum desses anúncios há de ser minimamente, mesmo que longinquamente, compatível com a tua profissão, com as tuas capacidades. Tornaste-te pessimista?

- Não, nada disso. E hoje cheguei a uma importante conclusão: estes anúncios não são escritos por pessoas, nem são para pessoas. É mesmo negócio de alienígenas.

- Mas os anúncios são, na sua maioria, escritos por psicólogos e técnicos da área do trabalho e das organizações, que trabalham nas empresas de recrutamento e seleção de recursos humanos. São bastante elaborados, do ponto de vista técnico.

- Se acreditas no que dizes estás bem enganada. Isto é de extraterrestres.

- Ok, vá lá, explana a tua descoberta, a tua tese.

- Se gastares um tempo a ler anúncios de emprego, sem preconceito, sem qualquer necessidade objetiva de conseguires um emprego e dessa forma ganhares dinheiro para a sopinha, como és uma menina esperta, logo perceberás que os anúncios são todos iguais. Se são escritos por esses psicólogos e técnicos que disseste, andaram todos na mesma escola, com os mesmos professores, com os mesmos livros e trabalham todos no mesmo sítio. Produzem quilómetros e mais quilómetros de anúncios, que a julgar pela quantidade, será mais a oferta de trabalho do que a sua procura, embora os números oficiais e aquilo que vemos, na rua, nas pessoas, seja bem o contrário. Mas a melhor parte é esta: quem é que estes imensos anúncios procuram? Seres que não existem nesta terra. Hoje consegui traçar o perfil do trabalhador que estes anúncios procuram. Se o encontrares, foge dele, que não é humano e poderá ser perigoso. Trata-se de um jovem, recém-formado, dinâmico e ambicioso, com espírito de iniciativa, com elevado sentido de responsabilidade, com boa capacidade de comunicação, de análise e de resolução de problemas, com facilidade de relacionamento interpessoal e com espírito de equipa, capaz de trabalhar sob stress, com carta de condução e viatura própria, e que simultaneamente tenha experiência profissional comprovada, disponibilidade imediata e que esteja totalmente disponível para a empresa, a qual lhe oferece integração em equipa jovem e dinâmica, possibilidade de progressão na carreira, contrato a termo, e remuneração atrativa dependente do desempenho, ou traduzindo, toma lá quinhentos euros e dá-te por satisfeito enquanto não voltas para a rua. Nunca ouviste falar de motivação, de satisfação, de precaridade, de envelhecimento da população, da necessidade natural de equilíbrio, estabilidade e segurança, de produtividade? E quem tem mais possibilidade de conseguir o trabalho, quem é? É aquele rapaz, desembaraçado e prestável que é irmão da amiga do primo da tia do sogro do amigo. É esse, exatamente, que para não deixar ficar mal toda aquela preciosa fileira familiar, fará tudo e mais alguma coisa, sobretudo na parte da capacidade de trabalhar sob stress. Joaninha, este país está um manicómio e na porta tem uma tabuleta onde pode ler-se: “Uns já cá estão; os outros vêm a caminho.”.

- Percebo que estás muito bem-disposto. E não sei porquê, mas a tua boa disposição deu-me fome. Não comias qualquer coisinha?

- Talvez, já que ofereces. E se eu me tornasse psicólogo ou técnico, desses que escrevem estes anúncios? Está provado que sei escrevê-los, está provado que sei a quem dar os lugares, está provado que sou bem-disposto. E deve dar bom dinheiro. Que achas?

- Melhor seria se tu fosses o patrão, o empresário, o dirigente, o gestor, o CEO, o qualquer coisa que lhes encomenda os anúncios.

- Para isso tenho excesso de habilitações. Humor acima do limite.

 

Fernando Couto

Imagem do filme La Pecora Nera (A Ovelha Negra)

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Março 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

17
19
21

24
26
28

29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: