23.2.14

 

Quando pensamos em valores morais ou éticos tendemos a considerá-los como um conjunto de regras ecuménicas e imutáveis que a todas as outras se sobrepõem, que todos sem exceção devem observar, porque a todos obrigam de igual forma. Esta tendência reflete não só a necessidade que sentimos de catalogar, classificar e organizar os nossos conceitos de vida em sociedade, mas também a propensão para os generalizar, considerar como definitivos e impor como universais. Esquecemo-nos que a maioria esmagadora dessas regras e valores é datada e resulta de necessidades humanas transformadas em abstrações. Que “todo o mundo é feito de mudança” e que diferentes vivências originam diversas formas de pensar e agir em sociedade.

Basta pensarmos nas questões que hoje nos dividem e porventura amanhã gerarão consensos alargados. Pensemos ainda nalguns temas fraturantes e na evolução que sofreram, ou não, ao longo dos tempos. A pena de morte, o aborto, a eutanásia, a homossexualidade, a mutilação dos órgãos genitais femininos. As Cruzadas, a Inquisição e o fundamentalismo islâmico. Servidão feudal, escravatura e escravidão moderna. Monogamia, poligamia.

Para os esquimós, o infanticídio era aceite. Em 1776, a Declaração de Independência dos Estados Unidos estabelecia que todos os homens nascem iguais, mas mantinha a escravatura e o estatuto de inferioridade das mulheres. Em 1822 foi aprovada a primeira lei eleitoral portuguesa mas só em 1931 foi reconhecido o direito de voto às mulheres com curso liceal. A versão da Sharia praticada pelos Taliban, nega às mulheres alguns dos direitos que no ocidente são inquestionáveis, em nome do respeito e da honra que elas lhes merecem. Para os habitantes de algumas ilhas da indonésia, é impensável matar qualquer ser vivo, animal ou planta. Alimentam-se exclusivamente de frutos caídos das árvores, de leite e do sangue que extraem dos animais por processos ancestrais. Que dizer de certos hábitos alimentares de povos distantes? Que pensarão eles dos nossos?

A distinção entre o juízo de facto e o juízo de valor subjetivo é desde logo essencial para sermos imparciais e afastarmos o preconceito em relação ao que nos é estranho, distante ou diferente. Ortega e Gasset disse: eu sou eu e a minha circunstância.

Claro que podemos encontrar alguns conceitos morais amplos, muito genéricos, muito abstratos, como a bondade, a honestidade e o respeito, mas sem os enquadrar num código de ética universal. Porque até o conceito de bem e de mal, elegendo apenas um deles, varia no tempo e no lugar.

Não existem verdades absolutas e universais no domínio da moral e da ética. Existem ideais assentes nos ditames da nossa consciência pelos quais acreditamos valer a pena lutar, mas sempre no respeito das diferenças e contidos nos julgamentos. Devemos ser humildes.

 

José Quelhas Lima

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Fevereiro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
19
20
22

24
26
27


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: