3.7.15

InterestingFace-PeterGriffin.jpg

Foto: Interesting Face – Peter Griffin

 

Oiço o assobio da cana que sobe. Até onde, não sei, mas não sobe o suficiente para eu ver a explosão de luzinhas e cores no limite da sua existência, denunciada por um enorme estrondo. Começa a descida. Poucos a veem, já não tem brilho e perde-se na noite escura. Na descida cruza-se com outra que sobe até ao ponto em que há de explodir e ter o mesmo fim, não sem antes, tal como a anterior, espantar quem ali acorre para ver este festival de luz e cor.

Sempre me maravilhou esta incandescência colorida. Mas não era um fascínio tranquilo o que sentia quando, de olhos postos no céu, via rebentar um e depois outro e ainda outro, até ao momento em que rebentavam todos e muitos, à uma. O céu cobria-se de fumo, o ar cheirava a pólvora e as explosões ensurdeciam-me. Apesar disso, e ainda que com medo de eventuais canas tresmalhadas levasse as mãos à cabeça numa fingida proteção, não desviava o olhar desta explosão de sensações. Soltava exclamações, elegia o efeito mais bonito e as cores mais atrativas, comparava com anos anteriores e no final, o veredito – este ano sim, valeu a pena! Afirmava.

Só, assisto agora ao barulho lá longe, seguido de um pálido clarão roubado no brilho pelos edifícios à frente da minha janela.

Mas quê, estou a queixar-me? Sou mesmo um velho ingrato, sempre a ter pena de si mesmo. É certo que as pernas já não são o que eram mas com tempo e vontade teria ido ver o fogo mais de perto. Os meus filhos insistiram para que eu fosse com eles mas com receio de os atrapalhar decidi ficar em casa. Hoje, como noutras vezes, leio-lhes no rosto a desilusão mas conformam-se e lá vão divertir-se e viver a vida. Dediquei-lhes a minha, trabalhando para que nada lhes faltasse e educando-os com afeto. É com uma alegria imensurável que colho os frutos desse investimento. Respeitam-me e é genuína a preocupação com o meu bem-estar. Sei muito bem o que querem quando, à vez e a pretexto de nada, me entram pela casa dentro e me arrancam a esta sala fria e a esta quietude a que me entrego, por preguiça ou simplesmente para não povoar de vida os dias que me restam. Levam-me até ao jardim. Sentamo-nos naquele banco onde tantas vezes fingia ler quando na verdade os vigiava para que nas suas brincadeiras nada de mal lhes acontecesse. A minha filha nunca gostou de brincar no jardim, ferrou-a uma abelha e as formigas não lhe davam sossego. Os passeios com ela são até à praia, apanhamos um pouco de sol, andamos na marginal e tomamos café na esplanada.

Conheço-os até na maneira como abrem a porta. O mais velho irrompe casa adentro, vai direito à cozinha, abre o frigorífico e reclama pela falta de alimentos. Acha que me alimento mal e traz-me sempre um miminho. Só depois vem dar- me o beijo que tão bem me sabe. O outro, bem, o outro é um caso muito especial, não gasta as palavras mas o seu olhar e os seus gestos são tão afetuosos que dispensam palavras. Ela é diferente. Entra devagar e só depois de muito suavemente encostar a porta é que me chama: Paizinho, estás em casa? Que bem que me faz ouvir aquela voz de timbre igual ao da mãe!

Amam-me! Não duvido.

Mas, quererão eles saber o que penso e ouvir a minha opinião nos momentos de tomar decisões? Reconhecer-me-ão experiência e saber aproveitável? Duvido.

Dirão que os tempos são outros e os desafios diferentes.

Não sabem que o fazem, se soubessem não quereriam fazê-lo, mas tantas vezes me empurram para um estilo de vida que não é o meu e me retiram a capacidade de deliberação escolhendo por mim e para mim o que devo fazer, comer ou vestir!

Não tenho qualquer préstimo e não sou útil a ninguém. Esta consciência de mim, dói tanto como doeu, há uns meses, o olhar de comiseração que a mulher por quem me apaixonei me devolveu no momento em que lhe declarei o meu afeto.

Lembro-me da lentidão com que me habituei à sua presença quando, todas as tardes, por imposição dos meus filhos, ela aparecia para me tratar da casa. Lembro-me da forma gradual como a sua presença se foi convertendo em desejo. Declarei-me. Lembro-me do assombro e do silêncio insultuoso.

Velho tonto! A querer viver o que já não lhe é devido.

Comecei a desistir da vida. Estou à margem.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Julho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: