15.3.09


 


Bastou-me sentir o olhar dele, quando abri a porta do gabinete, para perceber logo que não tinha a mínima hipótese, como já era de esperar. Para dizer a verdade, nem sabia como tinha chegado tão longe… será que não se tinham apercebido de que não indicara a data de nascimento, ou que dificilmente uma menina de vinte e cinco anos teria aquela experiência profissional, ou terão gostado assim tanto da minha carta de apresentação?

Tinha-me convencido a mim própria a não desistir, apesar de todas as candidaturas sem resposta e das esperas por conversas infrutíferas com conhecidos mais bem posicionados. Afinal, são quarenta e sete anos e não setenta e quatro, a minha cabeça não só funciona perfeitamente bem como já não se atrapalha com poeiras, e toda eu encaixo no tal perfil pretendido, à excepção da idade, claro, factor que, cada vez mo deixam mais claro, tem mesmo o incompreensível condão de anular todos os outros.

Haverá alguma justiça nisto tudo? Por mais que tenha feito e trabalhado, o meu BI agora dita que já não pertenço ao grupo dos produtivos, que não sirvo para trabalho nenhum, que tenho de me resignar a não ser ninguém? Esta não é a minha história - como é que vim aqui parar? E ainda há o dinheiro. A família aguenta-se, mas eu agora vou depender do marido ou do dinheiro das heranças?

Os velhos a sério, esses sim devem sofrer. Abandonados em algum lar ou na rua, até, a esses foi-lhes deixado bem claro que já não fazem parte do mundo de todos, que não têm nada que esperar coisa alguma da vida, a não ser libertar espaço brevemente.

 

Mas eu estou apenas farta. Farta de estar em casa sozinha e de ter de esticar as lides que antes me demoravam uma manhã pelos cinco dias da semana útil. Adoro o meu marido, adoro os meus filhos e adorava a minha casa. Mas agora, como toda a gente ou trabalha ou estuda, não tenho ninguém com quem estar durante o dia, e quando eles chegam ainda me sinto mais como se estivesse a cometer um pecado qualquer. Às vezes saio doidinha com um saco das compras que há-de ir e voltar vazio só para ver pessoas. É melhor assim do que estar com conhecidos, que olham para mim ou com indiferença ou com pena, como se tivesse uma deficiência qualquer, lembrando-me, de uma forma ou da outra, de que não faço parte do mundo em que eles seguramente vivem.

Se ao menos eu não acreditasse que isso é verdade.

 

Ana A

 
Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 19:56  Ver comentários (2) Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

16
18
20

22
23
24
26
27
28

30


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: