14.1.10

 



 


Primeiro foram as juras de amor eterno. Iam ter filhos, uma casa, um bom carro. Iam ser felizes para sempre. E esse amor que sentiam um pelo outro ia suportar tudo, aguentar tudo, superar obstáculos.

Casaram e compraram casa. Com a ajuda do Banco. E depois um carro novinho em folha, como ele sempre quis. Com a ajuda do Banco.

 

Depois vieram os filhos, muita alegria e mais despesas. Das fraldas às roupas de marca foi um abrir e fechar de olhos, e depois são os computadores e a internet e os canais de televisão, os telemóveis, um LCD último modelo. E uns créditos pessoais a ajudarem, claro.

 

E depois de repente, as despesas eram mais do que o dinheiro que entrava. Com as contas, vieram as discussões. Afinal aquele amor podia vacilar; isto de ter que decidir que contas se pagam primeiro e quais ficam por pagar, de escolher se compramos comida ou a roupa que os filhos pedem é complicado.

Quando deu por isso, as discussões já eram sobre quem tinha culpa por estarem endividados. Quem tinha querido comprar isto ou aquilo. Quem tinha gerido mal a vida a dois...

 

Ela pensava como é que aquilo tinha acontecido e porque é que a falta de dinheiro estava a corroê-la por dentro, a ela e ao casamento. Porque é que o casamento não era mais forte do que as dívidas e as contas. Só precisava de uma segunda oportunidade, pensava. Ah, se pudesse voltar atrás... teriam gasto menos e passado mais tempo juntos. Teriam viajado menos e conversado mais. Uma segunda oportunidade, por aquele casamento em que acreditava tanto.

Menos dinheiro e mais família. Só precisavam de uma segunda oportunidade.

 

Um dia ele não voltou do trabalho. Ela inquietou-se. Os dias passaram. A polícia não descobria nada. O tempo passou. Ela sofreu, pensou se ele teria feito uma loucura. O dinheiro, o dinheiro deitara tudo a perder, arruinara as suas vidas.

Um dia, já meses mais tarde, cruzou-se com um colega de trabalho do marido. Acabaram a conversar. O colega espantou-se que ela não soubesse do marido. Ele tinha deixado de ir trabalhar, de facto. Mas não tinha morrido. Tinha-lhe saído o Euromilhões! Pagou uns copos aos colegas, disse que se despedia. Foi a última vez que o viu.

 

Ela ainda o procura; pôs um processo em Tribunal. Há dívidas conjuntas por pagar, há filhos. E ela com tudo aos ombros e ele sabe-se lá onde, a gozar a segunda oportunidade. Já lá vão três anos.

Ela podia perguntar-se o que aconteceu àquele amor tão lindo que tiveram. Mas não tem tempo para isso. Tempo é dinheiro, e ela não tem dinheiro.

 

Dora Cabral


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 16:50  Ver comentários (7) Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
29

31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: