25.3.14

 

Somos seres muito complexos. A nossa complexidade deve-se à nossa natureza intrincada, ao conhecimento da ignorância quanto à própria origem, à inquietação do desconhecimento do sentido de estarmos aqui e, bem vistas as coisas, a nossa infinita complexidade deve-se também ao complicómetro com que lidamos com as singularidades da vida. A vida já não é fácil e nós, não satisfeitos, complicamo-la ainda mais.

No meio de tudo isto, pupilam os valores.

Os valores até que são positivos e nos assistem no nosso processo de autoconhecimento e crescimento pessoal… até que deixam de ser.

O valor que eu dou a algo, tu provavelmente podes não dar. Mas tudo certo… viver é aprender a lidar com os irreconciliáveis.

Mas os valores são tão importantes no equilíbrio psicológico e emocional das pessoas que até, perante uma mudança que chega sem se fazer anunciar, nós custamos a deixar os valores outrora tão importantes para nós. As crises são as afirmações de que as mudanças vieram para ficar.

Os valores, se baseados numa escolha discernida do que é o melhor para o nosso crescimento, sem dúvida, criam caráter. Mas quem disse que o caráter é estático? Quem disse que o caráter carece de status quo? Quem afirmou que o caráter é a manifestação impoluta de uma moral perfeita na qual não se mexe? Dito por outras palavras, quem deliberou que eu não posso decidir hoje o que serei amanhã?

O nosso amigo e filósofo Sócrates tem uma frase que cabe aqui: Uma vida não examinada não merece ser vivida.

Eis que uma hora, já competentes para lidar com as dúvidas, conscientes (dos) e em processo de pacificação com os próprios conflitos, pensamos: “- Algo aqui não cheira bem!” Ou então: - “E se isto for de outra maneira?”

É a hora em que ligamos o aparelho da desconfiança para pensar autonomamente nas realidades que vivenciamos, quer estas digam respeito ao nosso universo íntimo, quer se refiram às outras pessoas e contextos em nosso entorno. Assim nasce a renovação dos valores pessoais.

 

Marta Silva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
19
20
22

24
26
27
29

31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: