De Susana Cabral a 28 de Julho de 2009 às 23:38
Olá Aníbal!

Se não existissem momentos, em que podemos libertar "emoções" acumuladas, em que temos a liberdade de exteriorizar a raiva ou a fúria , provavelmente acabaríamos por implodir
A necessidade de explodir para chegar ao normal, não deveria acontecer, no meu ponto de vista, porque idealmente, não deveríamos estar exposto a situações ou a episódios que nos levam a até essa explosão.


De Susana Cabral a 28 de Julho de 2009 às 23:31
Obrigada!


Beijos e Queijos

De Susana Cabral a 28 de Julho de 2009 às 23:24
Olá Marcolino

Obrigada!
Fico bastante contente que tenha gostado do meu texto.

Saludo :)

De ©Marcolino Duarte Osorio a 28 de Julho de 2009 às 20:11
Olá Susana!

Citando-a: «Momentos depois senti-me completamente exposta e frágil.»

Belissimo texto na primeirissima pessoa! Parabéns!

Marcolino

De Ana Lua a 28 de Julho de 2009 às 18:27
Gostei muito desta tua descrição, querida!
Vamos lendo e nos revendo nas tuas palavras... em momentos de extremo sentimento explosivo!
Beijnhos gds!

De Aníbal V a 28 de Julho de 2009 às 17:20
As manifestações de raiva são, no geral, episódios da vida de todos nós nada bonitos para serem vistos. Nem para serem vividos.
Mas se esses episódios não existissem, como ficaríamos ?
Como ficamos quando não temos hipótese de explodir para poder regressar ao normal?