De Cidália a 7 de Dezembro de 2008 às 23:46
M Lou,
A morte é certa para cada um. Porquê antecipar essa certeza?

Gostei que tivesse passado por cá.

Volte sempre.

Cidália

De M Lou a 7 de Dezembro de 2008 às 02:37
Eu ja pensei em suicidio, essa palavra e esse gesto entrou na minha vida quando o meu avo o fez e eu tive que me enfrentar com ele, com o gesto. A partir daí achei que podia ser uma saida... Já tive varias ofensas de pessoas que gostam de mim, e muitas foram ja as vezes que me fizeram questionar... Acho que é preciso uma certa coragem para o fazer, e essa ainda nao tive... Razoes para suicidar? Talvez seja a ausencia de razoes para nao o fazer... baixar os braços, desistir de lutar pela vida.

Gostei de passar aqui...


De Cidália a 6 de Dezembro de 2008 às 19:53
Olá Didi,

Seja bem vinda ao Mil Razões.

UFFA!
O seu comentário é bem elucidativo da herança que recebem os que perdem os seus entes queridos, ainda mais num acto de suicídio.
Há muitos porquês sem resposta...
Por isso dói tanto e às vezes falar ajuda. Já experimentou partilhar a sua dor com a Voz de Apoio?

Fique bem e volte sempre.

Cidália

De didi a 6 de Dezembro de 2008 às 02:26
Tal como a Susana, perdi uma das pessoas que mais amei na vida...Continuo a amar, porque quem ama de verdade, amam além da morte. Senti-me perdida, a vaguear numa estrada completamente desconhecida e sem saber qual o rumo certo. Tenho momentos, que não quero acreditar no que me aconteceu. Aceitar , não consigo....
Vivo para os meus dois filhos, uma com 22 anos e um com 11. O meu filho de 11 anos dá-me lições de vida, e isso fortalece-me e faz-me caminhar....
Susana, eu tinha tudo na vida e no dia 11 de Janeiro de 2007 (após 2 meses de lhe ter sido diagnosticada uma depressão), o grande amor da minha vida suicidou-se . Porquê????? É a eterna pergunta para a qual não encontro resposta. Agora, vivo um dia de cada vez...Mas, com uma dor enorme que nenhum analgésico consegue curar.Dói-me a alma... Felicidades e pense positivo, porque o pensamento positivo traz-nos alguma felicidade

De Cidália a 1 de Novembro de 2008 às 04:38
O perigo está no pensamento e na vontade de morrer. A pergunta que se coloca sobre "se já pensamos no suicídio?" não aumenta esse perigo , pelo contrário, pode afastar a ideia de suicidio. Falar ajuda.
Fazer a pergunta com preocupação e capacidade de salvar é que me parece mais discutível. Eu trocararia o "preocupado" por "interessado" . Também não me parece justo que alguém sinta o peso de não ter conseguido demover a ideia de suicídio.