30.4.18

Umbrella - Gerd Altmann.jpg

Foto: Umbrella - Gerd Altmann

 

Hoje chove a cântaros. Apesar dos dias prolongados de frio, chuva e algum cinzento na alma, acordei tranquila, descansada e mimada, com os três gatos na cama. Respirei fundo, lentamente, senti-me feliz por estar viva. Por sentir que as coisas avançam na minha vida, mesmo que os meus passos ainda me pareçam incertos. Estar inteira, aqui e agora, faz-me sentir coisas debaixo da pele que me levam a saltar da cama de manhã (na grande maioria dos meus dias), cheia de sol e vontade, ainda que troveje no firmamento. Cá dentro, em cada uma das minhas células, assinam-se tratados de paz, acordos territoriais e de segurança, protocolos de intervenção e, embora nem sempre o consenso entre as partes seja possível, nenhum demónio tem autorização de permanência. Ainda há quem grite, quem sofra, quem reivindique o ar que respira em nome de memórias nefastas, mas a comitiva da paz, com olhos postos no futuro, tem contido a onda de indignação, com determinação e carinho. Lá fora, o vento arrasta as vozes e os pés mas nada contém a mudança que trago em mim, silenciosa e determinada. Pela primeira vez em muito tempo, sinto a paz regressar. A vida não se tornou mais fácil, tão pouco os próximos anos serão mais tranquilos, mas o tempo da cura interna já se faz sentir. Os males do mundo continuarão a chegar sem aviso prévio, sem dó nem piedade, jamais poderei travá-los. Aceito as circunstâncias do mundo e dos outros, simplesmente: sei-os à margem de mim, tal como me sei deles. Aqui e agora, todavia, partilhamos este planeta, numa coexistência frágil, carregada de incompreensão e ignorância: como é triste sermos gente que não compreende gente, num mundo feito de (e para) gente que se esquece de ser gente. Talvez nunca o consiga entender mas já não me permito navegar nestas águas. No meio do caos, atento nos lutadores, nos audazes, nos humildes, nos compassivos, nos humanos que insistem, dia após dia, em ser melhor do que foram ontem, para si e para outros.

 

No meio do temporal, caminhando às cegas, debaixo do guarda-chuva, esbarro numa amiga que não via há muito. Insiste em que lhe conte “as novidades”, quer saber acerca de todas as coisas que não fiz. Pouco convencida pela minha resposta sucinta, segreda-me, sorridente, que os meus olhos lhe dizem que cheguei ao meu destino, que algo (ou “alguém”, repete) muito especial deve estar a acontecer. É óbvio para ela, que estou a ocultar algo importante, que não quero falar do que me traz “tão iluminada” mas, claro, apesar de triste e um pouco ofendida, deseja apenas que eu seja “muito feliz”. Na pausa em que aguarda a minha resposta, a minha boca não se move. Penso: não estou a chegar a nenhum lugar, nem a ninguém, estou em viagem. Parti de uma estação à qual jamais poderei voltar e, em cada paragem, deixo bagagem que não me pertence. Ainda não posso dizer que só trago comigo, apenas, o que me faz falta mas a leveza crescente cá dentro torna, definitivamente, as pernas mais velozes e o coração mais sereno. Sei porque estou a ir. Sei para onde quero ir. Sei o que não deve viajar em mim. Sei quem não deve caminhar comigo. Não sei, no entanto, de quantas paragens mais precisarei ao longo do percurso, para viajar cada vez mais leve, com que passageiros partilharei ainda a jornada ou quando será a última vez que poderei escolher o trajeto, mas sei que está tudo bem e que estou no único caminho que me validará a viagem. E quando eu tiver convertido toda a dor em amor, saberei que estou em casa. Pensei isto tudo mas não o disse, não creio que pudesse entender uma só palavra. Devolvi o abraço em que me envolveu e respondi, sorrindo: “… que eu seja muito feliz… Obrigada, amiga. Assim seja”. Desejei-lhe o mesmo de volta e voltei a partir, sem mais delongas. A viagem continua – e a chuva também.

 

Alexandra Vaz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Abril 2018
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
17
18
19
21

22
24
25
26
28

29


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: