28.6.19

Spacer - Julita.jpg

Foto: Spacer - Julita

 

A Dona Honestidade encontrou, um certo acaso, a Menina Imaginação - Sãozinha, para os que a conheciam de berço e de afeto. Havia muito tempo que não se viam e ela tinha crescido - por isso a D. Honestidade abriu muito os olhos, entre admirada e certificadora da verdade; em reconhecimento, enfim, que o tempo, às vezes, faz gato-sapato da memória de gente... bem, digamos, antiga. De certa idade. Velhota. Mas, sim, era mesmo a menina Sãozinha, aquela jovem alta, de porte altivo (sempre a conhecera com a cabeça nas nuvens, mas não tão literalmente...), vestida com roupas audaciosamente espampanantes, cheias de folhos, cores, laços e rendinhas de todos os graus de delicadeza.

 

- Sãozinha!!... Como é possível? Nem te reconhecia, estás tão crescida!

- Imaginação, se faz favor. Sãozinha é um diminutivo carinhoso que, em pequena, até me ficava bem. Mas agora, D. Honestidade, julgo inadequado. Cresci, sim, conquistei o mundo, sou muito importante, bem-sucedida, tenho o mundo a meus pés – disse a jovem, de nariz bem empinado.

- Ah. Sim. E a cabeça nas nuvens. – retrucou a respeitosa senhora, rindo sem maldade, apenas franqueza. – Então, conta, como conseguiste tanto sucesso?...

- Vendo Felicidade.

- Vendes Felicidade? Mas isso é lá coisa que se venda?! Aliás, Felicidade nem sequer existe!

- Ai, que mania, D. Honestidade! “Vendo” de ver, valham-me todas as virtudes. VEJO felicidade em tudo que existe, invento mundos meus, pinto a manta, uso óculos cor-de-rosa, quando é preciso, ou azuis, ou amarelos, ou cor-de-gato-a-fugir, conforme a necessidade. Vejo e tento fazer ver aos outros.

Aí, a D. Honestidade franziu as rugas todas.

- Mas isso é fingimento, é ilusão, pode até raiar a desonestidade!

- Desonestidade, não! Uso a fantasia, sim, não nego, a meu favor e a favor dos outros. Tento poupar as pessoas da crueza da verdade, às vezes, sim. Há quem me chame mentirosa, mas, esses, acreditam que Felicidade é Verdade. Não é. Felicidade é um lugar que eu crio dentro do mundo, dentro de um Momento. É a força dentro da Coragem. É o êxtase dentro da Alegria. É a humildade dentro da Gratidão. É o cuidado, dentro da Verdade. É a fuga, dentro do Sonho... enfim, é o jardim que a D. Honestidade tem atrás de sua casa, sem saber.

- Que jardim, menina?! Olha!... Logo eu, que trabalho de sol a sol, para ganhar o pão-de-cada-dia… tenho lá tempo para plantar flores!

- Plantou sim, um belo jardim, com as sementes que traz dos caminhos que calcorreia. Só que sou eu que o cuido, que o rego, que o mondo, que o podo e vou alindando, com pedrinhas de longe, e tesouros de perto: raios de sol, orvalho, chilreios de passarinhos, crianças brincando, borboletas, abelhinhas, enfim, coisinhas simples que tenho à mão.

- Ai, Sãozi…. Quer dizer, Imaginação: eu cá tenho os pés na terra, mas olho a direito, rege-me a verticalidade, a honradez, a verdade… e orgulho-me disso. Mas… bem, não me custa nada baixar os olhos e reconhecer em ti a honestidade das coisas belas e necessárias. Sim, sei do tal jardim. E apesar de nunca me ter dado a liberdade de lhe reconhecer os encantos, não penses tu que vou por aí pisando as margaridinhas – foi dizendo a honorável senhora, entre o ataque e a rendição, acabando num fio de voz límpida e macia.

- Oh, D. Honestidade… - acudiu, de mãos estendidas, a jovem Imaginação. – Eu sei, eu sei disso. Seria contra a sua nobre natureza não abrigar em si um pouco de condescendência pela fantasia, pela beleza, pela arte. E alguma fé no poder do sonho. E um natural carinho por mim que, afinal, conhece desde pequenina. Eu cresci consigo, sabe, tão ao seu lado que nem deu pela minha falta.

E, sorrindo, acrescentou:

- Imagine se desse…. Eu teria muita pena, honestamente.

 

Teresa Teixeira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Junho 2019
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
15

16
18
19
20
21
22

23
25
26
27
29

30


Arquivo
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: