16.12.15

PomnicekVLese-JanaIllnerová.jpg

Foto: Pomnicek V Lese – Jana Illnerová

 

You may say I’m a dreamer

But I’m not the only one

I hope someday you’ll join us

And the world will live as one

 

Imagine; John Lennon

 

 

John Lennon cantava pedindo aos povos que imaginassem um mundo sem fronteiras, sem motivos para matar ou morrer, um mundo sem ganância e sem fome, onde cada um pudesse viver o presente e em paz. Ambicionava uma sociedade mais tolerante e compreensiva, sem medos, uma sociedade que aceitasse as diferenças de cada um. Sonhava com uma humanidade em que todos eram irmãos. Cada humano, em vez de se assustar com o desconhecido, sentir medo e aversão, segregar, atacar ou destruir um seu irmão diferente, que se aproximasse para conhecer, informar-se e aprender sobre essas diferenças.

O medo é uma reação emotiva dos organismos vivos ao desconhecido de forma a manter e perpetuar a sobrevivência das espécies. Nos seres humanos, acontece o mesmo, reagimos com a emoção medo a tudo o que nos é desconhecido, diferente, e que pensamos ser ameaçador, seja uma ameaça real ou imaginária. O medo surge quando achamos que estamos perante situações de perigo. Também há medos irracionais, não justificáveis, medos tão intensos, conhecidos por fobias, que infernizam os quotidianos daqueles que os sentem.

 

Nesta era da globalização, esperava-se que a humanidade estivesse mais evoluída. Uma humanidade mais inclusiva, informada, culta e tolerante, todavia, nesta aldeia global observa-se que, por vezes, os recursos tecnológicos são usados ao serviço de poderes de vária ordem, para acirrar os medos e alimentar ódios.

O medo e a ignorância passeiam-se de mãos dadas. O medo do desconhecido, daquilo que se ignora, gera comportamentos de segregação, desumanidade, até de crueldade, racismo e xenofobia em todos os que não são iguais, que não se comportam de acordo com o formatado.

É a ignorância e a falta de humildade para a admitir, que está a carburar este recente movimento retrógrado da humanidade. Cabe a cada um mudar a sua atitude perante o medo. Observando-o, explorando-o para o conhecer até ele se desvanecer.

A sociedade evoluída e culta, vive isenta de medos, aceita e respeita a diversidade: as diferentes etnias, culturas, raças, rituais, religiões, orientações sexuais, estruturas familiares, pessoas com limitações ou caraterísticas físicas diferentes.

 

E sim, ele não era o único sonhador a acreditar que é possível uma humanidade mais fraterna, sem medos, com todos os povos a viverem em paz e harmonia.

 

Tayhta Visinho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Dezembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29
31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: