2.3.18

Elder - Jhair Arcia.jpg

Foto: Elder - Jhair Arcia

Viver na solidão, para muita gente, principalmente para pessoas idosas que são abandonadas pelos seus familiares e amigos, será como viver na “escuridão”. Mais doloroso, porém, do que essa solidão propriamente dita, é o sentimento atroz do abandono que as domina e que torna essa vida solitária ainda mais angustiante, mais triste e amarga.

Há quem considere que o maior poema do século XIX, que se chama simplesmente “Só”, da autoria de António Nobre, reflete o drama do infindável horror da soledade, cujo significado não se reduz apenas ao existir em solidão, mas também ao estado de abandono de alguém.

Dir-se-ia que a vida, para essa gente solitária, deixou de ser vivida, “deixou de ser vida”, porque todos os seus horizontes de vida se fecharam; cruel tortura de quem foi abandonado e rejeitado pelos seus, quando mais deles precisava em termos de amparo e afeto!

Infelizmente, é o que está a acontecer com frequência nos dias de hoje, com alguns idosos que são, muitas vezes, deixados pela família em abrigos, esquecidos em hospitais e atirados para lares.

Tanto fizeram ou sofreram pelos filhos e netos, ao longo da sua vida, muito amor, carinho e ternura lhes dedicaram; em muitos casos, porém, nada receberam em troca, nem mesmo um simples “mimo” de afeto ou de gratidão.

E bastaria, contudo, às vezes, para aliviar esse sofrimento e tornar menos penosa a soledade em que vivem, que pudessem sentir a proximidade, o afago e a ternura dos seus familiares e amigos, bem como deles recebessem, ao menos, uma pequena parte da dádiva de amor que nunca regatearam aos seus entes queridos.

José Azevedo

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2018
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
15
17

18
20
21
22
24

25
27
29
30
31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: